Sistema de Submissão de Resumos, I Encontro de Iniciação Científica - 2011 (ENCERRADO)

Tamanho da fonte: 
Avaliação das atividades de educação em promoção de alimentação saudável em escolas públicas de dois municípios de São Paulo
Rita Maria Monteiro Goulart, Leticia Leiko Shiroma Valim

Última alteração: 2011-09-08

Resumo


Introdução: A promoção da alimentação saudável é um dos focos de políticas públicas e tem sido recomendado como tema a ser trabalhado em programas de educação nutricional entre escolares.  Municípios e escolas vêm desenvolvendo atividades ligadas à promoção de saúde sistematicamente ou de maneira pontual. Objetivos: Avaliar o conhecimento e as atividades desenvolvidas por professores de escolas públicas de dois municípios de São Paulo em relação a promoção de alimentação saudável. Métodos: Estudo retrospectivo realizado em dois municípios de SP, Mairiporã e Carapicuíba, entre 2008/2009. No município de Mairiporã foram entrevistados 70 professores de 17 escolas do ensino fundamental I da rede municipal de ensino público. No município de Carapicuíba foram entrevistados 106 professores de 8 escolas do ensino fundamental I da rede estadual de ensino público, totalizando 176 professores e 25 escolas.  Resultados: Do total, 92,6% dos professores referiram trabalhar o tema alimentação e nutrição com seus alunos. Entre as dificuldades referidas, 39,7% relatou falta de materiais didáticos, 17,6% de orientação pedagógica e 8% não ter conhecimento sobre o tema para ensinarem aos alunos. Em relação ao conteúdo sobre alimentação saudável, 75,6% trabalha refeições equilibradas, 65,3% vitaminas e minerais, 56,2% benefícios e malefícios das gorduras, 55,7% proteínas, 43,7% fast-foods e 36,4% alimentos funcionais e o fazem sob forma de projetos, pesquisa, textos, aulas dissertativas e outros recursos. Quando levantado se a Rede de Ensino(RE) oferece cursos de capacitação em nutrição e alimentação, 76,7% responderam que não, 10,8% que a RE oferece cursos voltados para alimentação saudável, 4% que os cursos eram voltados somente para as merendeiras. Dos que participaram de cursos de capacitação, apenas 6,25% tiveram as expectativas atendidas, 62,5% não atendidas e 8,52% parcialmente atendidas. Entre as fontes de consulta sobre alimentação saudável destacaram-se:  televisão (79%), jornais (66,5%), livros (53,4%) e cursos (12,5%). Conclusão: Apesar das dificuldades para trabalhar o tema alimentação e nutrição a maior parte dos professores aborda o tema com seus alunos através de textos, pesquisas, aulas práticas como culinária e horta. Entretanto, não há cursos de capacitação e orientação de profissionais suficientes para auxiliá-los na construção de conhecimentos relacionados a alimentação saudável. Os educadores buscam informações e conhecimentos por meio de jornais, revistas, TV, livros e poucos através de cursos. Assim, observa-se a necessidade de  políticas que visem o aprimoramento de conhecimento dos educadores da Rede de Ensino para que possam contribuir com adoção de hábitos alimentares saudáveis dos futuros cidadãos do país.