Sistema de Submissão de Resumos, I Encontro de Iniciação Científica - 2011 (ENCERRADO)

Tamanho da fonte: 
COMPARAÇÃO ENTRE DIFERENTES TÉCNICAS PARA DETERMINAÇÃO DO TEOR DE UMIDADE DE SOLOS
Cláudia Francisca Escobar Paiva, Milena Emy Matsubara

Última alteração: 2011-09-08

Resumo


Introdução

Esta pesquisa avalia a eficiência do forno de microondas para a determinação do teor de umidade de uma amostra de solo em comparação com o método gravimétrico convencional da estufa. Para a realização dos ensaios foram coletadas amostras de solo do talude localizado no campus de Santo André da Universidade Federal do ABC. Destaca-se a importância do conhecimento do teor de umidade para estudos agrícolas, hidrológicos, meteorológicos, ambientais e geotécnicos.

 Objetivos

Apresentar subsídios para viabilizar e difundir o uso do forno microondas na determinação do teor de umidade de solos, contribuindo com base em resultados experimentais para o aprimoramento e avaliação de um importante índice físico geoambiental.

 Metodologia

            As amostras foram secas ao ar, destorroadas no almofariz e passadas pela peneira #30 (abertura 0,595 mm). Posteriormente, ao solo foi adicionada água destilada, formando uma mistura homogeneizada de solo e água que permaneceu em repouso por 24 horas para completa homogeneização. Para as determinações do teor de umidade em estufa e no forno microondas foram empregados os seguintes valores de massa: 20, 40 e 60 g. Todos os ensaios foram repetidos no mínimo 6 vezes para cada trecho de amostragem.

 Resultados

Os coeficientes de determinação obtidos na análise de regressão para as amostras avaliadas (R2=0,98) permitem discutir os resultados a partir dos parâmetros de regressão. Observa-se que os expoentes das equações da regressão variam de R²=0,977 para o Trecho 1 e R²=0,975 para o Trecho 2, valores próximos de 1, desta forma, indicam que o mecanismo de retirada da água pelo forno microondas apresenta um comportamento quase-linear em função do tempo. E ainda, o expoente próximo de 1 demonstra que o teor de umidade inicial não possui influência no processo, assim como, a massa da amostra. Confirma-se, portanto, os resultados enfatizados por Benke & Kearfott apud Tavares (2008).

 Conclusões

O tempo de secagem de 360 segundos foi suficiente para a estabilização de massa em todas as amostras estudadas.

Apesar das limitações de aspecto quantitativo, pois existe a necessidade de aumentar o número de medições e também de amostras analisadas, verifica-se, pelos os valores do coeficiente de regressão, que existe a possibilidade do uso do forno de microondas para a determinação rápida do teor de umidade de uma amostra de solo.