Sistema de Submissão de Resumos, I Encontro de Iniciação Científica - 2011 (ENCERRADO)

Tamanho da fonte: 
DIAGNÓSTICO E LEVANTAMENTO EPIDEMIOLÓGICO DE DOENÇAS DO COMPLEXO MAXILO-MANDIBULAR NO CENTRO DE ESPECIALIDADES ODONTOLÓGICAS (CEO) JARDIM PERI-PERI (BUTANTÃ)
Ricardo Raitz, Felipe Beccaria Casagrande

Última alteração: 2011-09-08

Resumo


O conhecimento das doenças que afetam o complexo maxilo-mandibular é de grande interesse e importância, uma vez que, entre suas manifestações, as lesões orais concorrem para sua caracterização clínica e condicionam o diagnóstico e a terapêutica da doença em questão. O diagnóstico dessas lesões traz benefícios que vão desde a resolução de pequenos crescimentos e ulcerações que comprometem o conforto, atrapalham a mastigação ou adaptação de próteses, até o salvamento de vidas pelo diagnóstico precoce do câncer bucal. Segundo dados do Instituto Nacional do Câncer para 2010, as neoplasias malignas na cavidade bucal respondem pelo quinto lugar entre as neoplasias mais freqüentes entre homens, e pelo sétimo lugar entre as mulheres. O presente trabalho objetivou promover um estudo das lesões mais freqüentes na população do Butantã cidade de São Paulo, assim como produzir um levantamento epidemiológico para a região, segundo o gênero do paciente e tipo de lesão. Para a confecção deste trabalho foi realizado um estudo descritivo transversal, onde foi analisado o livro de registro de biópsias do serviço de Estomatologia do CEO Jardim Peri-Peri e revisados os laudos histopatológicos de 2004 a 2010. Foram então contabilizados os diagnósticos histopatológicos de acordo com o tipo de lesão, assim como o gênero do paciente em questão. Nos pacientes do sexo feminino, as lesões mais freqüentes foram a hiperplasia fibrosa inflamatória (28,37% da população feminina), o fibroma (19,86%), seguidas de hiperqueratose (4,96%), granuloma piogênico e mucocele (cada um com 4,26% da população). Nos pacientes do sexo masculino a hiperplasia fibrosa inflamatória e o fibroma também foram as lesões mais freqüentes (24,89% e 15,85% da população masculina analisada, respectivamente), seguidas de mucocele (9,56%), papiloma (8,54%) e hiperqueratose (4,88%). A porcentagem de neoplasias malignas encontradas na população (4,9%) foi condizente com a encontrada na literatura, considerando que foram levantados apenas casos biopsiados. Interessante observar as lesões pré-cancerizáveis, como as atipias celulares, que somaram treze casos e 5,8% da população estudada. Além disso, também foi condizente com a literatura a maior prevalência masculina, pois os homens fumam e bebem mais que as mulheres, e isso aumenta a chance de atipias e câncer. Tendo como base os levantamentos epidemiológicos realizados em diversas regiões do Brasil, pode-se afirmar que é fundamental pesquisar diferentes regiões para que se possam tomar decisões governamentais locais que dizem respeito a uma população específica, direcionando políticas públicas cabíveis ao caso, seja de prevenção, diagnóstico precoce ou tratamento da saúde da população.