Sistema de Submissão de Resumos, I Encontro de Iniciação Científica - 2011 (ENCERRADO)

Tamanho da fonte: 
Uma análise quantitativa dos efeitos da expansão da produção de cana-de-açúcar sobre a oferta de produtos alimentícios no Brasil
Danielly Ribeiro Castro

Última alteração: 2011-09-09

Resumo


Os biocombustíveis têm assumido um papel de grande importância no mercado internacional, e o Brasil destaca-se com a produção do etanol a partir da cana-de-açúcar. Diante da expansão de sua produção, há um caloroso debate sobre a influência destes no cultivo de produtos agrícolas destinados a alimentação. Estudiosos alegam que tal expansão gerará queda na produção agrícola e consequente aumento do preço dos alimentos, o que poderá resultar numa crise alimentar.

 Este estudo teve como objetivo realizar uma análise quantitativa que procurou evidenciar indícios estatísticos que corroborassem, ou não, a hipótese que a expansão na produção de cana-de-açúcar em diferentes regiões do país pode resultar em uma queda na oferta de produtos alimentícios no Brasil.

 A primeira etapa da pesquisa foi dedicada ao estudo teórico sobre a questão central do projeto. Em seguida, iniciou-se um estudo direcionado aos conceitos econômicos, matemáticos e estatísticos fundamentais ao desenvolvimento da pesquisa quantitativa, conjuntamente com a coleta de dados. Foram utilizados modelos econométricos de regressão linear múltipla e simples para estimar, respectivamente, as correlações entre quantidades produzidas de cana-de-açúcar com os outros produtos agrícolas e as elasticidades-preço da oferta da cana-de-açúcar.

 Os resultados mostraram fortes indícios que o aumento do cultivo de cana-de-açúcar tem efeitos negativos sobre as produções de arroz e de feijão. Nas demais culturas (soja, milho, trigo, café e mandioca), as evidências não são claras e os parâmetros estimados variam de acordo com o estado analisado. Observou-se uma estreita relação entre o preço do álcool hidratado ao produtor e a quantidade de cana-de-açúcar produzida no período posterior, em três grandes estados produtores: um aumento de 1% no preço do álcool ocasiona um crescimento de 2,2% na quantidade ofertada do produto no estado de SP, 0,45% em AL e 1,88% em PE.

 Concluiu-se que existem indícios estatísticos que sustentam a hipótese central do trabalho envolvendo dois bens. Entretanto, as conclusões não são suficientes para se afirmar a ocorrência futura de uma crise alimentar no país. À medida que os preços relativos sejam alterados pela expansão da produção da cana-de-açúcar, as forças de mercado tendem a atuar e amenizar seu impacto. Todavia, dependendo do aumento que o preço do álcool sofrer, isso pode demorar muito tempo ou nem ocorrer, devido ao comportamento da elasticidade-preço da oferta de cana-de-açúcar observado.