Sistema de Submissão de Resumos, I Encontro de Iniciação Científica - 2011 (ENCERRADO)

Tamanho da fonte: 
Ensinando e Aprendendo Evolução: um exame das deficiências conceituais no ensino de Biologia Evolutiva no Ensino Médio
Esaú Sirius Ventura Pupo, Guilherme Cunha Ribeiro

Última alteração: 2011-09-15

Resumo


Introdução: A Teoria Evolutiva é uma das teorias mais importantes das Ciências Naturais de um modo geral e o elemento unificador da Biologia. No entanto, estão bem documentadas as deficiências que os estudantes egressos do Ensino Médio possuem em relação a conceitos importantes desta disciplina. Objetivos: Neste projeto, serão examinadas as deficiências conceituais nos materiais e textos didáticos utilizados no Ensino Médio em relação a alguns aspectos considerados de especial relevância, como as concepções sobre a natureza da Ciência (importante para a compreensão e aceitação da Teoria Evolutiva), as concepções sobre filogenia, classificação e hierarquia e a contextualização histórica dos conteúdos relacionados à Teoria Evolutiva. Metodologia: O que a literatura dizia sobre o assunto foi delimitado com o uso de artigos referentes a educação e ao ensino da biologia. Os artigos foram obtidos com a ferramenta de buscas no portal de periódicos CAPES utilizando as seguintes palavras-chave: evolution, teaching evolution, philogenetic trees, e  tree thinking; palavras-chave correspondentes também foram utilizadas em português, mas os resultados encontrados foram escassos. A luz das recomendações dos autores estudados comentamos dois livros didático disponíveis ao ensino médio público através do PNLEM – Plano Nacional do Livro do Ensino Médio; a saber: Linhares & Gewandsznajder (2005) e César e Sezar (2005). Recomendações acerca de como suprir as deficiencias deste material didático foram feitas. Resultados: Nossos achados indicam que os livros didático disponíveis para o ensino médio brasileiro podem induzir ao erro, dada a maneira como são feitos os agrupamentos dos seres vivos nas sessões de zoologia e a presença de árvores filogenéticas antropocentricas, i.e. lineares quando lidas da esquerda para a direita. Da mesma maneira o cenário cultural dos estudantes e o discurso inadequado dos professores são fontes de erro constantes. Conclusão: É importante que os professores ensinem aos alunos a leitura dos diagramas de árvore e norteiem o ensino da zoologia evidenciando as características de cada grupo de animais. Professores também devem vigiar seu discurso de modo a não atribuir uma progressão a evolução. O ensino das ciências como um todo se beneficiaria de uma explicação acerca dos métodos das ciências, dando aos estudantes uma visão mais crítica.