Sistema de Submissão de Resumos, I Encontro de Iniciação Científica - 2011 (ENCERRADO)

Tamanho da fonte: 
O uso da derme acelular em engenharia tecidual e regeneração tecidual guiada
Eliara Fernanda Bastos Ribeiro, Arnaldo Rodrigues Santos Junior

Última alteração: 2011-09-09

Resumo


Lesões teciduais são os principais fatores que induzem ao tratamento por cultura de pele. Nos casos em que a lesão é extensa e o paciente não possui quantidade de tecido suficiente para recompor a área perdida, uma solução é o uso da engenharia tecidual. Substitutos dérmicos devem apresentar características e funções mais próximas possíveis da pele normal. Estes devem ser uma boa barreira contra agentes infecciosos e contra a perda de água, aderir bem ao ferimento, ter uma boa resistência mecânica e causar o mínimo de escarro. A derme acelular, como substituto dérmico que pode ser obtido do próprio paciente, pode ser usada como uma alternativa viável, já que em seu uso é possível controlar a quantidade de camadas do enxerto. A derme humana acelular é usada como um análogo dérmico na implantação de células para tratamento através da engenharia tecidual. Ela pode ser obtida através de doadores de órgãos e tecidos ou da extração do próprio paciente, nesse caso, em pequenas proporções. Aplicar a técnica regeneração tecidual através do uso de derme acelular como substituto dérmico preferencial ao uso de biomateriais ou enxertia é uma alternativa, devido as similaridades fisiológicas da matriz de colágeno. A técnica consiste em que após a obtenção de uma porção de tecido de um doador ou do próprio paciente, este deverá ser tratado com uma solução tampão fosfatada (PBS) para manter a integridade das características do tecido. O uso da solução tampão irá variar entre acrescida de antibióticos, como ciprofloxacina e anfotericina, e glireróis variando entre 5% e 98%. A concentração do glicerol e o tempo a que o tecido será exposto determina a eficácia da remoção da região epidérmica. Ao final da imersão em glicerol o tecido deverá passar por um processo de secagem e esterilização. A reidratação antes da remoção do tecido epidérmico pela escovação em agente estéril, garante a integridade do arcabouço da matriz de colágeno. A derme acelular, obtida ao concluir o tratamento do tecido, poderá ser armazenada em PBS na geladeira para posterior uso clínico. O uso de derme acelular permite a máxima proximidade de características fisiológicas ao do tecido que a receberá, evitando rejeições ou dificuldade de adesão das células que serão cultivadas sobre o arcabouço de colágeno. Sendo uma técnica de fácil realização e obtenção de tecido, o uso de derme acelular torna-se bastante interessante para regeneração de pequenas extensões de lesão, substituindo enxertos.