Sistema de Submissão de Resumos, I Encontro de Iniciação Científica - 2011 (ENCERRADO)

Tamanho da fonte: 
O ACIDENTE OCUPACIONAL DO PROFISSIONAL DA SAÚDE EM UNIDADES HOSPITALARES
Anand Oliveira Masson, Christiane Bertachini Lombello

Última alteração: 2011-09-09

Resumo


Introdução

As unidades hospitalares configuram-se em um ambiente onde os profissionais de saúde estão sujeitos a diversos riscos relacionados às atividades laborais, estando mais expostos aos acidentes de trabalho e às doenças profissionais, pois atuam em contato direto e contínuo com o paciente. No Brasil, embora as pesquisas voltadas aos acidentes ocupacionais tenham aumentado ainda não se tem um real diagnóstico de como, quando e porque eles ocorrem em diversos hospitais e regiões do país.

Objetivos       

Análise dos acidentes de trabalho e riscos ocupacionais aos quais estão expostos os profissionais da saúde que atuam na área hospitalar 

Metodologia

Identificação da produção científica sobre o acidente ocupacional nos hospitais brasileiros, nas bases de dados PubMed e Scielo e levantamento de casos notificados junto às autoridades sanitárias do município e Estado de São Paulo através dos boletins epidemiológicos disponibilizados. Os dados foram, então, comparados aqueles coletados mediante a aplicação de questionários em um hospital da região do ABC paulista, abordando diversos setores do hospital, e diferentes categorias profissionais.

Resultados

Foram encontradas 22 publicações científicas enfocando os acidentes ocupacionais em hospitais, e constatou-se que estes acometem principalmente o sexo feminino, auxiliares de enfermagem, e ocorrem em sua maioria na administração de medicamentos e punção venosa, pela manipulação de materiais perfurocortantes. Resultados estes, que assim como a ocorrência de subnotificação, são reforçados pelos dados encontrados nos boletins epidemiológicos, os quais forneceram um panorama da ocorrência e notificação de acidentes, em âmbito mais restrito. Quanto aos questionários aplicados no hospital, os riscos biológicos foram os mais citados pelos profissionais, e a utilização de EPIs como a principal forma de prevenção. Os resultados mostram ainda, que os trabalhadores acidentados eram predominantemente do sexo feminino, e pertenciam à categoria de auxiliares de enfermagem. Além disso, os acidentes foram mais frequentes na Central de Material e Expurgo, envolvendo a lavagem de caixas provenientes do Centro Cirúrgico, tendo como principais agentes causais, os perfurocortantes, com lesão dos membros superiores. Ademais, as providências tomadas pós-acidente, envolveram formulação do CAT, realização de exames, além do acompanhamento médico.

Conclusão

Há carência de publicações científicas voltadas à caracterização dos acidentes, o que dificulta a elaboração de estratégias de prevenção. Entretanto a adoção de treinamentos mais frequentes para atualização, educação e conscientização dos profissionais favoreceria não só no aprimoramento de conhecimento, mas contribuiria também para a melhora das condições de trabalho destes profissionais e na prevenção aos riscos ocupacionais.