Sistema de Submissão de Resumos, I Encontro de Iniciação Científica - 2011 (ENCERRADO)

Tamanho da fonte: 
Metodologia para caracterização de resíduos sólidos urbanos visando o seu aproveitamento energético
Claudio Lima Rodrigues, Juliana Tófano de Campos Leite Toneli

Última alteração: 2011-09-11

Resumo


Visto que a gestão dos resíduos sólidos urbanos (RSU) vem se tornando um dos grandes problemas enfrentados nas grandes cidades, tanto em relação aos locais de disposição quanto ao aumento de sua geração, é necessário prover soluções que possam reduzir esses impactos. Dentre as soluções está o aproveitamento energético, que por sua vez depende de uma caracterização avaliar o seu potencial energético. Esse trabalho teve como objetivo a definição de uma metodologia para caracterização dos resíduos sólidos urbanos com vistas ao seu aproveitamento energético, levando em conta os dados do relatório da composição dos resíduos sólidos urbanos do município de Santo André, SP. Onde metodologia deve prever: número de amostras, razão entre a massa amostrada e a massa total; método de homogeneização e partição. O desenvolvimento do trabalho, em sua primeira etapa, ocorreu com pesquisas bibliográficas sobre as metodologias existentes para a classificação de resíduos sólidos urbanos, no Brasil e no mundo, juntamente com o estudo de parâmetros e métodos utilizados para análise do potencial energético . A partir destas pesquisas, levantaram-se as variáveis que influenciam na composição e no volume gerado de resíduos sólidos urbanos em grandes cidades, e também características importantes do manejo dos resíduos sólidos urbanos de Santo André. E por meio desta base teórica foi proposta uma metodologia. De acordo com o embasamento teórico, foi definida uma metodologia focada no seqüenciamento de processos e definição dos tamanhos e números de amostras. Onde inicialmente se estabelece o tamanho da amostra de RSU, que deve possuir entre 90 e 200 kg quando extraída de caminhões de coleta (5000 a 9000 kg). Após tal definição, deve-se realizar uma pré-coleta de amostras para analisar a variabilidade dos RSU, e definir um número de amostras representativo. Só então deve-se coletar as amostras e realizar a análise gravimétrica. E para cada componente encontrado nos RSU deve-se realizar as análises de Poder Calorífico, Composição Imediata e Composição Elementar para estimar seu potencial energético, sendo necessário reduzir cada componente em amostras de 50g. A metodologia definida teve uma base bibliográfica considerável, mas em sua última etapa, a de avaliação do potencial energético, deve-se ainda efetuar experimentações e estudo para consolidar o método, pois a redução da amostra para a análise energética (amostra de 50g) sugerida pode perder muitas características do RSU.