Sistema de Submissão de Resumos, I Encontro de Iniciação Científica - 2011 (ENCERRADO)

Tamanho da fonte: 
Avaliação de alterações conformacionais e de perda de afinidade a inibidores antivirais da Transcriptase reversa do HIV-1 (Human Immunodeficiency Virus -1) em resposta a mutações em sítios sobre seleção positiva.
Antonio Sergio Kimus Braz, Guilherme Henrique de Paula Carpentier

Última alteração: 2011-09-11

Resumo



Introdução

Retrovírus e Transcriptase reversa
Retrovírus são vírus de RNA que copiam seu genoma para DNA durante sua replicação. Esses vírus  funcionam com  a transferência de informação ocorrendo em dois sentidos DNA ⇆ RNA (Carter & Saunders 2007). Para que isso ocorra e necessário um enzima viral denominada transcriptase reversa (RT) também conhecida por RNA polimerase dependente de DNA (RpDd).
Antirretrovirais e seleção positiva
Drogas antirretrovirais desenvolvida para inibir a RT, alteram a estrutura nessa proteína. Os sítios sobre seleção positiva provavelmente devem refletir em alterações estruturais que levem a perda de afinidade por determinado inibidor.
Objetivo
Testar o efeito de diversas mutações na enzima Transcriptase reversa, do HIV- 1, sobre a estrutura terciaria da proteína RT e o que isso afeta na capacidade de ligação da RT com inibidores NNRTIs.
Metodologia
     As estruturas mutantes passaram por etapas de minimização de energia : 1ª minimização por steep descendent (proteína congelada); 2ª minimização por steep descendent (backbone restrito); 3ª minimização por steep descendent :(proteína livre)
Modos normais :Foi utilizada  a análise de Modos Normais para  entender o efeito das mutações na mobilidade estrutural da Transcriptase reversa do HIV. É uma técnica mais rápida e que exige computacionalmente menos que a dinâmica molecular.
Resultados : a analise de NM forneceu  dados sobre a mobilidade de cada resíduo de aminoácido de cada mutante . A partir disso foram criados Gráficos de  RMSF . A Transcriptase reversa possui um formato semelhante ao de uma mão direita humana. É na “palma” onde se localiza o sítio ativo onde o inibidor deve se encaixar. Na região do subdomínio  da palma os mutantes T69N, T286P e L74I apresentaram um aumento de mobilidade. Fato curioso, que pode levar uma perda de afinidade com o inibidor, pois essas regiões mais quentes estão perto do sítio ativo.
 Conclusão: Ao analisar as alterações conformacionais gerada por mutações na RT, pode-se analisar o quanto isso afeta na habilidade da mesma se ligar com inibidores e entender como as mutações modificam de maneira geral uma proteína.