Sistema de Submissão de Resumos, I Encontro de Iniciação Científica - 2011 (ENCERRADO)

Tamanho da fonte: 
Mouse Ocular para Pseudocoma
Francisco de Assis Zampirolli, Rafael Iamamoto Cuzziol

Última alteração: 2011-09-15

Resumo


Introdução
Este projeto objetiva facilitar a interação de pacientes que não possuem qualquer forma de comunicação com o seu meio, vítimas da síndrome “Locked-In” sem a presença de oftalmoplegia. Com ele o paciente poderá interagir através de movimentos dos olhos com um computador. Uma das principais metas é fazer com que todo o projeto seja de baixo custo a fim de facilitar o acesso de grande parte da população.

Objetivos
Desenvolver um software de baixo custo que através de uma webcam analisar as imagens do olho do paciente para traduzir os movimentos oculares em coordenadas para o mouse.
A interface com o usuário final deverá ter opções comuns e simples ao paciente para que a sua utilização seja eficaz e objetiva.
O software também deverá ser leve para poder funcionar em computadores baratos e antigos que possuem uma taxa de processamento menor que a comum. Também deverá ser barato para facilitar sua compra pela população de um modo geral.

Metodologia
Para a programação utilizou-se a biblioteca gratuita OpenCv que já possui inúmeras funcionalidades para visão computacional. A fixação da câmera em relação ao olho do paciente foi realizada através de um simples boné. A fim de poupar processamento, o software identifica automaticamente uma região de interesse nos quadros e só então equaliza o histograma da imagem, e aplica as funções threshold (binariza a imagem), canny (identifica contornos) e smooth (suaviza) até finalmente procurar por círculos na imagem, que no caso seria a íris. As coordenadas são tratadas e repassadas ao mouse.

Resultados
Foi possível controlar o mouse de maneira eficaz. Testes foram realizados e pôde-se utilizar o Teclado Virtual do Windows ‘teclando’ algumas letras.

Conclusão
O software mostrou-se promissor e perfeitamente viável tendo em vista que foi possível ‘digitar’ com o olho. A etapa fundamental do projeto pôde ser realizada, que é a segmentação eficaz da íris e a captura de suas coordenadas, porém pequenos ajustes são necessários, além de testá-lo com pacientes reais e sob condições práticas do cotidiano dos hospitais que os abrigam.