Sistema de Submissão de Resumos, I Encontro de Iniciação Científica - 2011 (ENCERRADO)

Tamanho da fonte: 
O banquete experimental de Jards Macalé
Herom Vargas, Rafael Henri Boegli

Última alteração: 2011-09-15

Resumo


Introdução

Jards Macalé, compositor e cantor ligado ao tropicalismo e ao pós-tropicalismo, sempre esteve ao lado de artistas de repercussão midiática, mas nunca teve sua obra muito divulgada ao grande público. Experimental ao criar canções, sempre fez apresentações polêmicas e inovou nas letras, nos arranjos musicais ou na arte das capas de seus discos, mesmo em uma época de repressão pela ditadura militar.

Objetivos

A pesquisa em questão tem o objetivo de caracterizar as formas de experimentação no trabalho do artista nos anos 1970, período importante para a cultura brasileira, pela ditadura militar, e para a música popular brasileira, pelo crescimento da indústria cultural (gravadora e televisão) e fim da época dos festivais. Serão estudadas as canções de Macalé em um compacto e quatro álbuns lançados na década de 1970: Só Morto (compacto duplo, 1970), Jards Macalé (LP, 1972), O Banquete dos Mendigos (LP duplo coletivo organizado pelo autor, 1974), Aprender a Nadar (LP, 1974) e Contrastes (LP, 1977). Serão analisados também as capas desses discos e seus shows, estes a partir de descrições em matérias da imprensa.

Procedimentos metodológicos

  1. Levantamento de dados: Pesquisa de material bibliográfico publicado sobre Macalé e sobre o cenário musical: a) artigos e livros, b) material da imprensa - matérias e entrevistas; c) em áudio - discos; d) audiovisual - veiculado na televisão e disponibilizado na internet. Esta coleta será realizada no Arquivo do Estado de São Paulo, bibliotecas e Internet.
  2. Perfil biográfico e da obra.
  3. Realizar análise do material bibliográfico, das canções (letras, músicas) e capas dos discos, relacionando a obra do artista com o contexto cultural e político. Na relação com o padrão musical da época, serão ressaltados os experimentalismos realizados e a repercutia na mídia.

Resultados e conclusão

A pesquisa mostrou o caráter inovador e polêmico do trabalho de Macalé em plena ditadura militar. Em seus shows, como sua aparição no festival de 1969 cantando Gothan City, a provocação ao público era constante. Nas letras, tratava de melancolia, amor e usava metáforas políticas e humor. Nos arranjos musicais, utilizava o samba como ritmo básico e fazia misturas com gêneros como forró, baião, rock e blues. Algumas músicas produziam estranhamentos ao trazerem ruídos e efeitos misturados ao instrumental.

Se isso o afastava do gosto do público, mesmo com tais características, teve músicas de sucesso gravadas, por exemplo, por Gal Costa, que imortalizou canções como Vapor Barato e Mal Secreto.