Sistema de Submissão de Resumos, I Encontro de Iniciação Científica - 2011 (ENCERRADO)

Tamanho da fonte: 
ESTUDO SOBRE O POLIMORFISMO DO GENE DE REPARO XRCC7 EM MULHERES COM ENDOMETRIOSE E MULHERES NORMAIS
Cristina Valletta de Carvalho Valletta de Carvalho, MARIA NADIEGE FURTADO

Última alteração: 2011-09-20

Resumo


A endometriose consiste no crescimento do tecido endometrial na parte externa da cavidade uterina, gerando inúmeros problemas de caráter ginecológicos, como cólicas menstruais, dores abdominais e infertilidade. A origem da endometriose ainda é um enigma mesmo nos dias atuais, exatamente por isso, muitas teorias foram fundamentadas tentando decifrá-la. Atualmente, pesquisas têm sido feitas utilizando como base os polimorfismos gênicos, pois essas alterações poderiam influenciar no desenvolvimento de doenças, como a endometriose. A presença de polimorfismos no gene XRCC7, ao que parece, estaria associado a um risco maior no surgimento de doenças como a endometriose. Com vistas para essa possível correlação, propomos um estudo neste gene de reparo em mulheres com endometriose e mulheres saudáveis. Para tanto, foram analisadas 65 mulheres com endometriose e 73 controles, atendidas no Ambulatório de Algía pélvica e no setor de Climatério do Departamento de Ginecologia da Universidade Federal de São Paulo – Escola Paulista de Medicina (UNIFESP-EPM). Estas foram genotipadas quanto ao polimorfismo no gene XRCC7 pelo método de PCR-RFLP e analisados por eletroforese em gel de agarose a 3% corado com brometo de etídio, a fim de se determinar os genótipos para este  polimorfismo e sua distribuição nas mulheres com endometriose e nas sem a doença. Das 65 pacientes com endometriose, 13 pacientes apresentaram o genótipo de homozigoto selvagem (G/G), 36 heterezigoto (G/T) e 16 apresentaram o genótipo homozigoto com mutação (T/T). Já o grupo controle composto por 73 mulheres, apresentou um genótipo com a proporção de 15 G/G, 36 G/T e 16 T/T.