Sistema de Submissão de Resumos, I Encontro de Iniciação Científica - 2011 (ENCERRADO)

Tamanho da fonte: 
AVALIAÇÃO PARAMÉTRICA DO TESTE DE INIBIÇÃO PRÉ-PULSO E DA MODULAÇÃO PELO ÓXIDO NÍTRICO NESTE MODELO DE FILTRO SENSÓRIO-MOTOR
Michelle Corrêa Brosco, Nicole Francisca Henriques-Santos, Gabriela Chiuffa Tunes, Cristiane Salum

Última alteração: 2011-09-06

Resumo


INTRODUÇÃO: O teste de inibição pré-pulso (IPP) é amplamente utilizado para o estudo de doenças psiquiátricas, dentre elas a esquizofrenia. A IPP consiste na redução na amplitude da resposta de sobressalto (ASR) a um estímulo auditivo intenso (pulso, P), quando este é precedido por um estímulo de baixa intensidade (pré-pulso, PP). Dentre os fatores que influenciam a IPP estão: a razão entre ruído de fundo/ estímulo (saliência do estímulo), o intervalo entre os estímulos P e PP e a intensidade e duração dos estímulos. OBJETIVOS: Este estudo avaliou as seguintes hipóteses: i) a intensidade de pulso influencia a porcentagem de IPP; ii) a intensidade do ruído de fundo influencia a porcentagem de IPP; iii) o intervalo entre os estímulos influencia a IPP; iv) agonistas dopaminérgicos prejudicam a IPP. METODOLOGIA: Foram utilizados ratos Wistar machos, 180-400g. Os animais foram submetidos ao teste de IPP, sendo 5 minutos de aclimatação, 10 apresentações de P (intensidade variável conforme o experimento) e apresentação pseudoaleatória de 64 estímulos: P, PP (tom puro, 3 kHz, 69, 73 e 81 dB, 20 ms), PP+P (100 ms entre estímulos) e nulo (sem estímulos). As apresentações tiveram intervalos fixos, de 15s ou 30s. Depois de escolhidos os melhores parâmetros, os ratos foram submetidos ao teste de IPP e de campo aberto após receberem apomorfina (0,5mg/kg, s.c. 5min antes do teste de IPP) ou metilfenidato (20mg/kg, i.p. 30min antes do teste de IPP) RESULTADOS: i) A intensidade de 120 dB de pulso apresentou a maior %IPP nas intensidades de 69 e 81 dB de PP. ii) A intensidade de 60dB de ruído de fundo foi a que apresentou a menor %IPP no teste realizado com pulso de 120 e 110 dB. iii) No teste realizado com ruído de fundo de 65 dB e pulso de 100 dB ou 110 dB e ruído de 60 dB, a variação de intervalo não foi significativa; iv) Não houve efeito significativo da apomorfina na IPP; v) Houve um déficit na IPP causado pelo tratamento com metilfenidato na intensidade de 81 dB e na atividade locomotora na arena, sendo que o grupo salina foi significativamente inferior ao grupo metilfenidato. CONCLUSÃO: Os resultados aqui apresentados demonstram a importância do ajuste de parâmetros para obter uma melhor %IPP. Esse estudo mostrou que o pulso e o ruído de fundo influenciam a IPP, porém a hipótese de que o intervalo entre estímulos influencia a IPP não foi confirmada.